segunda-feira, 9 de março de 2015

"Sevastopol" iniciará provas de mar ainda em março

O porta-helicóptero de assalto anfíbio da classe Mistral, "Sevastopol", que está sendo construído em no estaleiros St. Nazaire da França para a Rússia, vai passar pelos primeiros testes de mar entre os dias 16-20 de março, informou a DCNS, acrescentando que o objetivo será avaliar os sistemas de navegação e controle.

"Não haverá marinheiros russos a bordo durante as provas de mar", disse o porta-voz da empresa. Ele lembrou que os marinheiros russos que tinham realizado o curso de formação de seis meses no primeiro navio da classe Mistral, o "Vladivostok", não deixaram St. Nazaire em dezembro passado.

A DCNS está prosseguindo com o projeto de acordo com o cronograma original, disse a empresa. Em fevereiro, o equipamento de bordo do "Sevastopol" começou a transmitir o sinal do AIS.


O contrato de 1,12 bilhões de dólares para a construção de dois navios da classe Mistral para a Marinha russa foi concluído em junho de 2011. O primeiro navio, o "Vladivostok", foi lançado em outubro de 2013, deveria ter sido entregue a Rússia em novembro de 2014. No último momento, Paris suspendeu a entrega indefinidamente dizendo que a crise na Ucrânia foi o motivo. O "Vladivostok", desde então, permaneceu atracado em St. Nazaire. O "Sevastopol" deve ser finalizado até o final deste ano.

A Rússia também comprou tecnologia francesa para o sistema de comunicação e controle.

O Mistral irá realizar quatro tarefas em um mesmo tempo: receber helicópteros, tropas terrestres, e agir como um posto de comando e um hospital flutuante. Cada navio vai levar um grupo de 16 helicópteros. Seis deles podem operar ao mesmo tempo. O convés de carga pode acomodar mais de 40 tanques ou 70 veículos.

A Rússia está comprando o porta-helicópteros francês Mistral com equipamento francês, incluindo dispositivos de navegação e combate, mas vai armá-lo com o seu próprio armamento. Os navios  da Classe Mistral levarão á bordo os modernos helicópteros de ataque Ka-52.

Fonte: GBN GeoPolítica Brasil com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário